Acção Social

Residência Aberta – Casa do Castelo – Apoio a Jovens em Fase de Transição

Residência Aberta

Promover a autonomia do jovem, estimulá-lo para a construção do seu projecto de vida e ajudá-lo concretamente na superação dos obstáculos, no seu dia a dia de integração na sociedade, são os objectivos centrais do projecto Residência Aberta.

As crianças e Jovens, que por determinação do Tribunal de Menores vivem parte da sua infância e adolescência internados, dificilmente retomam o meio social ou a família, quando atingem a idade (17-18 anos) que os coloca, legalmente, fora do âmbito das instituições educativas.

Os Jovens em situação de confronto com a sua própria vida em sociedade, sem o apoio familiar, entregues a si próprio, encontram-se economicamente debilitados e em risco de cometerem novas transgressões.

É na fase de pós-saída do regime de internato, que o apoio se torna mais premente, o Chapitô ajuda os jovens em risco de marginalização social, a ultrapassar o síndrome “pós-internato” e a desenhar uma trajectória, oferecendo-lhes suporte estável durante um período transitório, num processo de inserção que visa a sua autonomia e independência.

Como projecto integrado o Chapitô pretende que cada uma das suas actividades possa constituir uma alternativa de acolhimento, facilitadora de um processo educativo conducente a uma integração social e profissional.

Ao longo dos anos, são muitos os jovens que ao saírem dos Centros Educativos pedem directamente apoio ao Chapitô, para a reconstrução das suas vidas pessoais. Trabalhamos para consolidar os laços com a família natural ou, à falta dela, proporcionar um ambiente de afecto e confiança. O Chapitô recorre também aos meios e actividades existentes no seu espaço, para estimular e garantir um enquadramento social, cultural e recreativo.

Disponibilizamos apoio, orientado por profissionais competentes nas áreas do serviço social, psicológico, pedagógico e jurídico; estimulamos os jovens para a conclusão da escolaridade obrigatória e fornecemos apoio sócio-laboral: acompanhando o percurso intensivamente, desde a promoção de formação, à profissionalização.

Contribuir para alicerçar as esperanças de vida destes jovens, como cidadãos de pleno direito, oferecendo-lhes um acompanhamento personalizado e alojamento temporário é para nós uma prioridade.

Mais

  • A Residência Aberta – Casa do Castelo apoia durante um período máximo de 2 anos jovens em situações de pós-internato e casos que apresentam maior instabilidade. Para as situações de emergência prevê-se uma curta permanência de 2 a 3 semanas até estarem ultrapassados os problemas que deram origem à crise no Jovem.
  • A procura de colocação no mercado de trabalho mantém-se intensivamente como forma progressiva de inserção e autonomização do Jovem.
  • Na elaboração dos programas individuais será tida em conta a apetência pessoal ou a expressão da vontade dos jovens, para a selecção das actividades ou de módulos de formação em que se possa integrar.
  • O Projecto Residência Aberta – Casa do Castelo é concebido como projecto de integração social, em que os espaços do Chapitô, habitualmente utilizados para actividades lúdicas ou formativas, como ginásios ou salas de aula, serão disponibilizados aos residentes.